Quando recorrer a um empréstimo para pagar o IPTU, IPVA e DPVAT?

IPTU

Os impostos mais importantes chegam nas épocas do ano em que os gastos são corriqueiros. Com isso, podem trazer complicações para a organização das finanças, ainda mais quando estamos presos a outras despesas. Se você está nessa situação, provavelmente já se perguntou se é hora de recorrer a um empréstimo para pagar o IPTU, IPVA e DPVAT.

Sabemos que você deseja quitar essas dívidas o quanto antes, mas que precisa descobrir se realmente compensa. Afinal, você trocará uma dívida por outra. No entanto, o não pagamento de IPTU IPVA e DPVAT pode trazer complicações ainda maiores.

Se você está considerando essas possibilidades, provavelmente sabe os riscos que está correndo nos dois cenários. Contudo, precisa considerar as principais razões para optar pelo crédito. Além disso, deve analisar as opções disponíveis com base nas suas necessidades atuais.

Parece um trabalho complicado, mas fique tranquilo. Vamos abordar todos esses pontos, deixando claro para você qual a melhor opção de empréstimo para o pagamento do IPTU IPVA e DPVAT.

 

Consequências de não pagar os impostos

 

Não é uma boa ideia deixar de pagar qualquer um desses impostos. Há situações em que você precisa revisar o valor cobrado e, nessas situações, você pode esperar para pagar, pois encargos não são automaticamente cobrados. Mas, caso não exista essa possibilidade, o valor será atualizado com correções monetárias, multas e juros em cada mês.

Os valores das taxas de IPTU variam de cidade para cidade, mas podemos dizer que em todas o custo acaba pesando. Outro ponto importante é que o valor é atualizado com base no IPCA (inflação oficial) e em juros mensais de 1%. Em São Paulo, por exemplo, a multa é de 0,33% ao dia, podendo atingir até 20% do valor.

Com o IPVA, isso não muda. Primeiro, porque se esse imposto não for pago, não será possível obter o licenciamento do veículo. Caso não haja pagamento, o portador do veículo recebe um comunicado pelo correio, demonstrando o prazo para quitar a dívida.

E, se o condutor não cumprir o prazo, pode ser negativado por meio da dívida ativa, uma execução fiscal similar ao Serasa, mas ligada ao governo. A dívida ativa pode até tirar o carro do proprietário.

Problemas dessa natureza também se dão quando você paga o IPVA, mas não busca licenciá-lo por meio do DPVAT. O Detran considera isso como uma infração gravíssima e, por isso, o dono do veículo irá enfrentar uma série de problemas. A multa chega a quase R$ 300, além de que pode perder sete pontos na carteira e até ter o veículo apreendido.

Assim como acontece com o IPVA, o não pagamento de IPTU e do DPVAT leva seu nome para a dívida ativa. Há casos em que o nome é incluído também no “Cadastro Informativo de Créditos Não Quitados do Setor Público Federal” (Cadin). Nas prefeituras, a Procuradoria Geral do Município (PGM) é responsável por advertir sobre a cobrança. Se isso ocorrer, o portador passará a ter dificuldades para negociar e alugar imóveis, por exemplo.

 

Devo contratar um empréstimo?

 

Como você percebeu, para evitar todos os problemas, é ideal pesquisar sobre os créditos disponíveis. O melhor a fazer é se reorganizar e buscar uma estratégia para sair do problema com os menores danos possíveis ao seu patrimônio.

Mas, como saber se já é hora de recorrer um empréstimo para pagar IPTU, IPVA e DPVAT? Vamos ver alguns pontos fundamentais para sua decisão.

 

Impossibilidade de quitar com dinheiro atual

 

Se você considera a possibilidade de contratar um empréstimo, provavelmente seu lucro atual está comprometido com outros custos. Mesmo que possua valores excedentes, eles cobrem outras despesas imediatas e fundamentais para o dia a dia, certo? Essa situação aponta realmente para um empréstimo.

 

Hábitos de bom pagador

 

O segundo fator de extrema importância para se considerar são seus hábitos de pagador. Consideremos que seu nome esteja limpo, ou seja, você não possui restrições no CPF. É necessário mantê-lo assim para poder ter liberdade de negociação no mercado.

Portanto, a dica é básica: assuma a dívida que você pode pagar. Pode parecer óbvio, mas descobrir o valor real dessa dívida tomará algum tempo.

 

Consciência do compromisso

 

Primeiramente, você precisa ter a noção clara dos compromissos que irá assumir. Ao solicitar um empréstimo pessoal, você aciona uma instituição credora para lhe auxiliar. Dessa forma, você troca uma dívida por outra, então, terá juros e parcelas ao longo dos meses. Manter essa consciência vai garantir clareza na sua escolha.

 

Valores totais

 

A opção é interessante quando está de acordo com sua renda, taxas que vai pagar e outros fatores relacionados ao valor total a ser pago.

Para descobrir esse valor, considere a taxa de juros, o valor do crédito, o prazo para pagamento e outras cobranças inclusas. Depois, analise o que você tem de lucro líquido atualmente para descobrir o quanto esse empréstimo irá pesar no seu bolso.

 

Empréstimo de acordo com as necessidades

 

Hoje, você encontra muitas opções diferentes de empréstimo que se adequam ao seu estilo. Ao invés de descrever todas, vamos entender as suas necessidades atuais relacionadas ao pagamento do IPTU, IPVA e DPVAT.

 

Facilidade de pagamento

 

O primeiro ponto a analisar é a forma de pagamento. Quanto menores os juros e maiores as facilidade das parcelas, mais fácil será sua organização financeira. Para isso, sempre se certifique dos valores de juros cobrados por cada instituição, para fazer uma boa comparação.

 

Flexibilidade

 

O seu empréstimo é uma opção estratégica para quitar as dívidas e melhorar seu finanças. Por isso, você precisa de flexibilidade, pois o crédito não pode se tornar uma prisão que compromete parte do seu lucro. Quando procurar por opções, escolha as que garantam mais liberdade financeira.

 

Comodidade e rapidez

 

O pagamento de IPTU, IPVA e DPVAT exige agilidade para não ter juros. Além disso, você precisa “se livrar” dessas despesas para planejar outros gastos. Então, precisa de comodidade e rapidez.

Infelizmente, ainda há muitas instituições financeiras que demoram para dar crédito, porque analisam muita papelada e utilizam processos burocráticos. Mas, hoje, você tem agilidade e flexibilidade com novas opções de crédito.

Convidamos você para conhecer nosso modelo de empréstimo online. Funciona de modo muito parecido com cartão de crédito, pois você tem um limite de crédito de R$ 3.000 para usar como quiser.

Se for o caso, utilize apenas parte dele e pague em até 12x. O resto do dinheiro fica guardado para você gastar como quiser. E à medida que você paga as parcelas, o limite volta para sua conta.

Visite nosso site e faça o cadastro!