Empréstimo é a melhor opção para sair de dívidas?

Cálculos

 

Quem procura se livrar das dívidas costuma sempre pensar em alternativas viáveis para isso. Uma das possibilidades levantadas por quem acumula débitos é a de pegar um empréstimo e se ver livre das demais cobranças. Mas um empréstimo é a melhor opção para sair de dívidas?

De acordo com dados da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC), divulgada pela Confederação Nacional do Comércio (CNC), em dezembro de 2020, 66,3% das famílias brasileiras estavam endividadas. E, o pior: 11,2% delas declaravam não terem condições de pagar suas dívidas.

A verdade é que imprevistos podem acontecer na vida de qualquer um. Um carro quebrado, um problema na família, a perda inesperada do emprego, e até questões que estão completamente fora do nosso alcance, como crises econômicas ou uma pandemia mundial. Tudo isso contribui para o endividamento das famílias.

 

Juros rotativos: os grandes vilões

 

Os maiores vilões das finanças pessoais são os juros rotativos. Você sabe o que é isso? Se não os conhece, nós vamos explicar.

Os cartões são o tipo de crédito mais fácil desse adquirir. Eles são constantemente oferecidos por bancos e empresas financeiras a seus clientes. Porém, também são os que tem as taxas de juros mais altas.

Por serem fáceis de adquirir, são também os mais utilizados pelos brasileiros, tanto para financiamento de compras a prazo quando para pequenas e grandes aquisições do dia a dia. A verdade é que, se você não tem um bom controle financeiro, pode acabar gastando no cartão bem mais do que deveria.

E a conta é simples: se você gastar mais do que ganha, não terá como pagar a fatura inteira do seu cartão. Você recorre, então, ao pagamento mínimo da fatura, o que parece ser uma boa ideia no início. Mas lembre-se de que, sobre todo o valor não pago, correrão os tais juros rotativos – com uma taxa geralmente alta.

Se, na fatura seguinte, você não conseguir quitar o total (gasto do mês + restante do mês anterior + juros) haverá novo acréscimo de juros sobre o novo valor total, e assim sucessivamente. São valores acrescidos de juros, somados a outros valores e ainda mais juros. Entendeu como os rotativos podem transformar uma pequena dívida em uma grande bola de neve?

 

Quando pegar um empréstimo é a melhor opção?

 

Se você já entrou no rotativo e está vendo sua dívida crescer cada vez mais, esse é o momento de pedir um empréstimo para quitá-las. Os juros de empréstimos pessoais são muito menores do que os do cartão de crédito e a troca pode ser vantajosa. Confira conosco as situações nas quais um empréstimo é a melhor opção para sair de dívidas:

 

  1. Quando a taxa de juros do empréstimo é menor do que as a taxas da dívida: considerando que as taxas do rotativo giram em torno de 15% ao mês, e os juros de empréstimos geralmente não passam de 2%, a matemática é simples. Taxas menores significam que, ao final, você terá pagado menos do que se deixasse a bola de neve dos juros do cartão rolando.
  2. Quando o valor total das dívidas é maior do que se pode pagar: você já colocou suas dívidas no papel, fez as contas, economizou o quanto pode, mas percebeu que não terá condições de quitar tudo no momento. Nesse caso, pegar um empréstimo para se livrar das dívidas e pagá-lo em prestações menores pode ser de grande ajuda.
  3. Quando não há uma reserva financeira para pagar a dívida a vista: infelizmente, a grande maioria das famílias brasileiras não têm o costume de guardar dinheiro para imprevistos. Então, quando a dívida chega, não há uma reserva financeira para quitá-la. Um empréstimo pode funcionar como uma saída de emergência.

 

Ou seja, se você se encaixa em uma ou mais das situações acima, um empréstimo é a melhor opção para sair de dívidas, sim! Você estará trocando uma série de débitos, com taxas altas e que você não conseguiria pagar, por uma única dívida, com juros menores e com parcelas que cabem no seu bolso. Colocando na ponta do lápis, é a oportunidade para arrumar sua vida financeira. Mas saiba que é preciso se programar.

 

Como se programar para pegar um empréstimo

 

Apesar de todas as facilidades e dos juros baixos, é necessário fazer uma programação financeira antes de pegar um empréstimo. Você estará trocando uma dívida cara por outra mais barata, mas não vai querer se complicar financeiramente outra vez, não é? Então veja essas dicas:

 

Faça as contas de tudo o que você gasta por mês, o que deve ficar reservado para imprevistos e veja qual é o valor máximo que poderá pagar em parcelas do seu empréstimo, sem comprometer as demais obrigações. É esse valor e o total das suas dívidas que você irá usar para definir seu empréstimo pessoal.

Agora é a hora de encontrar uma empresa de confiança para seu empréstimo. Pesquise bem antes de fechar um negócio. Uma boa dica é ler esse artigo em nosso blog, onde falamos sobre como evitar cair em golpes de empréstimo. Ou acesse agora mesmo o nosso site e encontre o empréstimo ideal para você, sem burocracia e com total segurança.

 

Como não cair novamente nas dívidas?

 

Agora você já entendeu que vale a pena pegar um empréstimo para quitar suas dívidas e vai começar o processo de arrumar a casa (ou, no caso, a carteira). Então, que tal organizar suas finanças para nunca mais cair na bola de neve dos juros rotativos? Preste atenção nessas dicas:

 

  1. Saiba o valor total das suas dívidas: coloque no papel, ou em uma planilha, tudo o que você está devendo. Considere todos os cartões de crédito, cheque especial, uso do limite no banco, impostos atrasados e até dívidas menores, como contas fiadas na padaria ou na lojinha de um amigo. Não deixe nada de fora, pois esse é o momento de realmente limpar a casa e reduzir todas as suas dívidas a uma só.
  2. Negocie o que for possível: você quer pagar suas dívidas, e seu credor quer receber. Então esse é o momento de unir o útil ao agradável e entrar em contato para negociar sua dívida. Verifique se é possível receber um desconto pelo pagamento a vista ou uma amortização no valor total dos juros.
  3. Organize seus gastos pessoais: agora que você já sabe o quanto deve, é hora de descobrir o quanto pode pagar mensalmente em um empréstimo. Para isso, organize suas finanças pessoais, colocando no papel os gastos fixos (como aluguel, plano de saúde, condomínio, internet) e os gastos variáveis (como água, luz, alimentação, lazer).

     

    Você já entendeu que esse é o momento certo de quitar débitos, colocar sua vida financeira em ordem e recomeçar sem dívidas, certo? Então, procure adquirir seu empréstimo pessoal com uma empresa de confiança, com todo o processo online, sem filas nem burocracia. Basta preencher o formulário em nosso site e aguardar a aprovação. O limite pode ser liberado até no mesmo dia e você escolhe quanto e como quer gastar.

    1. Faça do controle financeiro um hábito: sabe a planilha que você criou para descobrir seus gastos fixos e variáveis? Nunca mais deixe de usá-la. Crie o hábito de controlar suas finanças todo mês, identificando gastos desnecessários e outros que podem gerar alguma economia.
    2. Crie uma reserva financeira: guarde uma parte do seu salário todo mês. Não precisa ser um valor alto. Comece guardando um pouco e vá aumentando esse valor conforme você se organiza financeiramente. Ter uma reserva financeira te ajuda com imprevistos. Ela também pode ser usada para realizar sonhos sem se endividar novamente.
    3. Guarde os cartões de crédito no fundo da gaveta: por falar em não se endividar novamente, que tal dar um basta no cartão de crédito? Nada de utilizá-lo como se fosse dinheiro vivo, comprando à crédito sem fazer contas. O ideal é guardá-lo no fundo da gaveta e evitar usá-lo!
    4. Evite compras parceladas: evite ao máximo também as compras parceladas, pois sempre existem juros, mesmo que eles estejam embutidos. Prefira adiar um pouco a compra de um item específico, guardando dinheiro até que possa comprá-lo à vista. É possível até negociar alguns descontos extras para pagamento em boleto ou dinheiro.
    5. Consumo consciente: sabe o que isso significa? Consumo consciente é comprar apenas o que é necessário e será usado. Quando você compra por impulso (porque uma determinada peça estava muito barata, por exemplo) geralmente leva para casa um produto que nem estava precisando ou uma roupa que ficará encostada na gaveta. Pense antes de comprar e economize.
    6. Nunca deixe de aprender sobre finanças pessoais: conhecimento é uma arma contra o endividamento. Então, sempre busque saber mais sobre finanças pessoais, economia e fontes de renda. Assim, você não cairá novamente em dívidas. Uma boa fonte de informação é o nosso blog!
  4. Além disso, conforme você paga suas parcelas, o valor vai sendo liberado e você sempre terá crédito para realizar sonhos a juros muito baixos. Visite agora mesmo nosso site, solicite seu empréstimo e organize suas finanças!